Domingo, 4 de Novembro de 2007

FUROS, FUROS E MAIS FUROS...

Sábado de manhã cedo: nesta altura do ano tenho outras prioridades de ordem profissional, que não me permitem dispor de muito tempo para dar grandes voltas, pelo que decidi que este fim-de-semana só daria uma voltita em Monsanto, que fica perto de casa e dá para sair já a andar.  Ao fim de 3 Kms , num sítio em que estou farto de passar, e quando me preparava para começar a subir... um barulho conhecido, por demais conhecido, que significa uma só coisa: Furei! Roda de trás, a tal que tem líquido Slime e tiras (supostamente) anti-furo. Nem queria acreditar, a roda de trás?? Não levava comigo câmara suplente pois decidi só levar remendos. Afinal para que iria servir a câmara suplente? Com tiras anti-furo e com líquido slime não haveria furo que ousasse aparecer, supostamente e na teoria, tal seria quase impossível... se furasse seria na roda da frente e para aí bastariam uns remenditos. Andar mais carregado para quê? Começo a desmontar a roda e vejo líquido verde espalhado por tudo quanto é pneu. 2 (Dois) furos! Não um, mas logo 2 furos de uma vez e que furos! Os remendos que levei não davam para tapar aquilo. Apareceram uns companheiros que me emprestaram outros remendos, mas quem é que conseguia fazê-los agarrar com aquele líquido verde todo para ali espalhado, sempre a deitar mais e sem maneira de o limpar devidamente... Voltei para casa à mão, pensando: amanhã há mais!

Domingo de manhã cedo: houve de facto mais... substituí a câmara com líquido slime por uma normal e avancei, desta vez com câmara suplente e muitos remendos, novamente para Monsanto. Ao fim de 10 Kms , e em alcatrão, o mesmo habitual repetitivo irritante barulho: Furei! Roda de trás novamente. Com muita calma, retirei o pneu, remendei o furo, voltei a colocar o pneu mas desta vez sem as tiras anti-furo , e arranquei para mais 20 Kms onde fiz aqueles trilhos de que gosto, tendo ido até tentar perceber como é que um colega caiu num salto lá para os lados do anfiteatro. Não consegui perceber muito bem e só vejo uma explicação: demasiada velocidade. O que percebi melhor é que as #%@AS   das tiras anti-furo é que me trilharam e rasgaram os pneus! Não tivesse visto no sábado à noite, o filme do Jacques Tati "Há Festa na Aldeia" e a maneira como o carteiro lida com um furo ( em 1949 tal como agora: roda, câmara, remendo e bomba...) e teria ficado mesmo irritado com esta sequência de furos!


publicado por LunarCaustic às 17:44
| comentar
2 comentários:
De Gonçalo a 4 de Novembro de 2007 às 22:40
Viva António,

De facto devias ir à bruxa! Tanto furo... ainda para mais logo no inicio da pedalada.. É galo!!

Pelo menos o teu Benfica lá se safou! ;)

Abraço,

PS. Continuo a insitir que com um pouco de ar a mais evitavas alguns furos.


De LunarCaustic a 5 de Novembro de 2007 às 19:42
Boas Gonçalo,
Segui o tu conselho e enchi mais os pneus, mas mesmo assim... Acho que foram as tiras que trilharam as câmaras de ar, enfim há que aguentar na boa.
Abraço


Comentar post

posts recentes

DIAS QUE SE FECHAM

INTERVALO QUASE DOLOROSO

NADA ACONTECE

UMA PASSAGEM PARA UM OUTR...

ÀS VEZES...

LISBOA DOWNTOWN 2010

IMAGINANDO COISAS

NÃO HÁ NADA A FAZER: DOMI...

NUM DIA IGUAL AOS OUTROS

The world is full of most...

TEMPO SUSPENSO

ATRAVESSAR FRONTEIRAS

O NEVOEIRO DE SINTRA

CROSS COUNTRY NA SERRA DO...

THE FIRST RIDE

THERE SHE IS : COMMENCAL ...

O TEMPO QUE PASSA NA SERR...

ANTÓNIO SÉRGIO (1950-2009...

TO DO OR NOT TO DO...

O QUE SE LEVA DE SINTRA

arquivos

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

links

Estética
Contador de acesso