Segunda-feira, 1 de Outubro de 2007

MARATONA BTT INATEL DE SETÚBAL

O que aconteceu em Setúbal, foi mais do que uma prova de fogo para a Stumpjumper . Tendo aguentado esta prova, julgo que haverá pouco que não aguente! Os factos: quando acordei, ainda noite, "chovia a potes"! Lembrei-me logo da Maratona do Festival Bike em Santarém no ano passado e do dilúvio que tivemos de enfrentar. A viagem foi feita com muita chuva, que só parou perto de Setúbal. Levantados os dorsais fomos para a linha de partida, eu e o Rui. Arrancámos quase no fim, mas quando começou a primeira - grande - subida, e como me sentia bem, comecei a puxar por ali a cima. O Rui acompanhou e puxou também a sua parte, pelo que em bom ritmo fomos passando pessoal e mais pessoal. As coisas estavam a correr bem até porque não havia chuva. O Rui chamou-me a atenção para a paisagem, e para o facto de não se conseguir ver nada pois havia muito nevoeiro. Eu ia de tal forma embrenhado na "roda da frente" - como ele costuma dizer, que não via mais nada, nem me lembrando sequer, que uma das razões que me tinham levado a querer fazer esta maratona, era por se realizar na Serra da Arrábida, onde nunca tinha andando de bike e que pouco conheço... Nesta altura começamos a cruzar-nos com motos 4. Julguei que não fosse permitido circularem por aqueles lados, mas também não sei bem onde é que estávamos a andar... Demasiadas motos a grande velocidade e em ambos os sentidos, não são nada de bom para uma prova de BTT. Comecei a ficar um pouco incomodado, mas lá seguimos a bom ritmo até começar a LAMA! De início ainda dava para ir - a custo - andando. Chegámos ao abastecimento, limpámos as bikes e ingénuos, quisemos crer que o pior já tinha passado. Mas, claro que o bom e o bonito ainda estava para vir. Nesta altura o nevoeiro desapareceu  permitindo-me apreciar melhor um pouco da beleza daquela serra: estradões e single tracks  completamente intransitáveis tal era o lamaçal, barro, argila, sei lá o que aquilo era... Agarrava-se de tal forma aos sapatos que mesmo batendo contra pedras e pinheiros só a custo saía. Dos pneus da Stumpjumper tirava-a à mão, mas mal voltava a colocar a bike no chão ficava na mesma. Solução: andar com a bike às costas! E fartei-me de andar assim. Ainda andei enganado atrás de um pessoal, mas quando soube que aquele não era o percurso, eu e outros voltámos para trás, pois pelo menos queríamos cumprir o trajecto, já que estávamos a passar por aquilo tudo... Fizemos Km´s com as  bikes às costas, alguns arrastavam-nas,  tudo se tentou para ultrapassar da melhor maneira aquela situação. É de facto frustrante querermos andar e não conseguirmos, nem sequer dava para ir com a bike  à mão porque logo ficava com tanta lama que as rodas não andavam. Nunca desejei tanto ver alcatrão!!! Acabámos por chegar ao final sem contudo termos feito o 3º controle, e aqui devo "agradecer" a um elemento da organização que na parte final nos enganou, dizendo que não havia mais nenhum posto de controle até ao final e que assim sendo poderíamos tomar outro caminho, evitando uma subida de onde todos estavam a voltar para trás por causa de mais lama. No final quando nos disseram que tínhamos falhado um controle, depois de tudo o que passámos, fez-nos sentir um bocado arreliados... A Stumpjumper portou-se lindamente, os desviadores nunca falharam e as mudanças lá iam entrando com mais ou menos barulho. Os travões, mesmo nestas condições, também estiveram sempre lá, garantindo a segurança possível. A subir e apesar de não ser muito leve, neste tipo de terreno ganha claramente com as rígidas, pois não necessito de andar sempre à procura do melhor caminho - passa por cima de tudo com facilidade, haja pernas!!!  Ficam algumas fotos que não necessitam de grandes comentários...

O tempo estava um pouco hostil, mas lindo...

 

Na linha de partida

O abastecimento

Acabou por ser assim...

Nada a fazer...

A Serra da Arrábida que acabei por conhecer ...

Já depois da meta não muito satisfeitos e um pouco tortos...


publicado por LunarCaustic às 23:19
| comentar
3 comentários:
De antonio a 5 de Outubro de 2007 às 01:46
Eu tb estive neste...nem sei q lhe chamar. Foi realmente mto dificil e tb depois de tanto esforço acabei por n ir ao 3º check a conselho de elementos da organização. Acho q eles ja n aguentavam ver tanto sofrimento e aconselhavam a ir embora pelo alcatrao. Foi a prova mais dificil q fiz ate hoje. Há e verdade, danifiquei o desviador xt. o almoço estava porreirito-


De Hugo Ribeiro a 4 de Outubro de 2007 às 23:29
Eu também lá estive ( alias, estou numa destas fotos..hehehe )e de facto foi pena ter havido tanta lama, contudo foi divertido. A ver se numa próxima não chove!
Abraço


De Marcos Arganil a 4 de Outubro de 2007 às 18:50
P*ois é meu caro, o passeio pedestre pela serra deve ter sido fantástico. As fotos comentam tudo. Um abraço e até breve.


Comentar post

posts recentes

DIAS QUE SE FECHAM

INTERVALO QUASE DOLOROSO

NADA ACONTECE

UMA PASSAGEM PARA UM OUTR...

ÀS VEZES...

LISBOA DOWNTOWN 2010

IMAGINANDO COISAS

NÃO HÁ NADA A FAZER: DOMI...

NUM DIA IGUAL AOS OUTROS

The world is full of most...

TEMPO SUSPENSO

ATRAVESSAR FRONTEIRAS

O NEVOEIRO DE SINTRA

CROSS COUNTRY NA SERRA DO...

THE FIRST RIDE

THERE SHE IS : COMMENCAL ...

O TEMPO QUE PASSA NA SERR...

ANTÓNIO SÉRGIO (1950-2009...

TO DO OR NOT TO DO...

O QUE SE LEVA DE SINTRA

arquivos

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

links

Estética
Contador de acesso